HISTÓRICO

O Instituto de Cultura e Meio Ambiente (Icumam) foi fundado em 2000, em Goiânia, por Maria Abdalla, Fifi Cunha, João Batista de Andrade, Assumpção Hernandes, Eduardo Benfica, Leandro Bezerra da Cunha, Euclides Leão Cunha e Marla Cardoso. Organização não-governamental, sem fins lucrativos, surgiu com vocação para a militância no vasto campo de atuação da produção audiovisual.

No final da década de 1990, com a criação do FICA — Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, Goiás vivia um momento importante para a retomada de ações voltadas para o aquecimento do setor da produção audiovisual. Mesmo sem política pública definida, sem instituições de ensino e suporte para qualificação profissional, iniciavam-se em Goiânia manifestações individuais em favor do cinema e do vídeo ao mesmo tempo em que entidades constituídas procuravam se organizar.

Neste contexto, em 2001, o Icumam realiza, em parceria com a Prefeitura de Goiânia, seu primeiro grande projeto, concebido por Maria Abdalla: a Goiânia Mostra Curtas, o primeiro festival de cinema de curta metragem de Goiás, atualmente um dos mais importantes do Brasil. Afiliada ao Fórum dos Festivais, nos anos seguintes a Goiânia Mostra Curtas colocaria Goiás no circuito dos festivais.

Em seguida, outros importantes projetos como o Cinema Popular e o Curso de Formação Profissional para Cinema fortaleceram a organização no campo da democratização audiovisual, formação de público e da qualificação profissional. Para tanto, o Icumam sempre contou com o apoio das leis de incentivo à cultura em âmbito nacional, estadual e municipal e com a parceria da iniciativa privada.

Após 15 anos de atuação, detém um dos mais importantes acervos de cinema e vídeo de curta metragem do Brasil.

Cumprindo seu papel de instituição do terceiro setor, o Instituto de Cultura e Meio Ambiente também apoiou a constituição de coletivos que tiveram, e continuam tendo, papel importante nos avanços da produção audiovisual em Goiás.

Sempre representado nos fóruns de cultura, o Icumam vem defendendo a necessidade de implantação de uma política pública atualizada para o audiovisual no Estado.