Obazuka

Obazuka: a missão  (GO)

Documentário (longa-metragem)

 

SINOPSE

O projeto de longa-metragem documental “Obazuka a Missão” tem como protagonista Washington da Conceição ou Obazuka, como gosta de ser chamado, é catador de materiais recicláveis. Nascido em 1978, atualmente com 40 aos, Obazuka, recebeu esse ​apelido quando trabalhava na construção civil. Hoje, trabalha na reciclagem da sua irmã em Rio Claro, interior de São Paulo. Por limitações financeiras, Obazuka precisa morar no próprio local de trabalho, sua casa é nos fundos do galpão, entre as pilhas de materiais reciclaveis que recolhe. Apesar de ser insalubre o espaço se revela bastante lúdico, o galpão é coberto por dezenas de miniaturas de aeronaves que pendem do teto, todas construídas pelo próprio Obazuka com materiais que ele encontra no lixo, Obazuka, como a grande maioria dos brasileiros, não possui condições financeiras de realizar seus sonhos, mas pretende buscar meios para que suas três missões sejam realizadas: Ir para o Rio de Janeiro de bicicleta, disposto a encontrar Deborah Secco, mesmo não tendo nenhum contato estabelecido com ela; Ir até a Pedra Bonita da Gávea e conseguir um voo de aeroplanador; e assim como constrói suas maquetes de avião, construir um avião de forma experimental que irá permitir que ele realize seu sonho de voar. Partimos então da seguinte ideia: Existe limite para o sonho? Para Obazuka a resposta é não, e é nessa consciência que está a premissa do longa-metragem. Enquanto um cidadão comum naturalmente coloca limites em seus sonhos sonhos, os moldando muitas vezes de acordo com a sua condição social, Obazuka nos ensina que nada pode pagar um sonho. A nossa proposta é que a partir do micro, do universo particular d’Obazuka, nós façamos uma reflexão mais abrangente sobre a relação do ser humano com os sonhos, em como se dá esse cabo de guerra entre o desejo e a necessidade de algo e o que somos capaz de movimentar para atingir nossos objetivos, mesmo quando parecem improváveis. Voar é um sonho que permeia o imaginário coletivo do ser humano desde o início das civilizações. Com a evolução tecnológica já conseguimos até visitar a Lua. Marte parece ser o próximo destino, provavelmente ainda nas próximas décadas. Porém uma enorme lacuna social sempre distanciou Obazuka de seu sonho de voar. Qualquer pessoa com um pouco de privilégios e um cartão de créditos hoje em dia consegue comprar uma passagem de avião, mas Obazuka vive com um salário de 600 reais por mês.

 

Diretor

Kaco Olímpio

Kaco Olímpio é graduado em Comunicação Social com habilitação em Cinema e Audiovisual e Pós-graduado em Cinema e Audiovisual: Linguagens e Processos de Realização ambos pela Universidade Estadual de Goiás.  Trabalha desde de 2010 como assistente de câmera, função que exerce ainda hoje e que já possibilitou trabalhar por todo o Brasil em projetos variados, dentre eles sete longas-metragens, mais de 30 curtas, e vários videoclipes e filmes publicitários. Kaco trabalha como freelancer compondo equipes de fotografias – diretor de fotografia e assistente de câmera. Faz parte da produtora cultural Astronauta Pirata, desenvolvendo projetos próprios, como o curta-metragem “A Viagem de Ícaro” que concorreu ao 1º Turno do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, e foi premiado em festivais como o 10º Festin em Lisboa e 28º Festival Internacional de curtas metragens do Rio de Janeiro – Curta Cinema. Além de ter sido exibido em países com Espanha, Índia, Itália, Portugal, Bolívia, México e Uruguai. Atualmente é educador de audiovisual no IPEARTES – Instituto de pesquisa e extensão em arte, meio ambiente e tecnologias sustentáveis, vinculado a SEDUC Goiás na cidade de Alto Paraíso.

 

Produtora

Flávia Ferreira

Flávia Ferreira é graduada em Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas pela Universidade Federal de Goiás, atua na área de produção audiovisual desde 2013. Trabalha como assistente de direção e continuísta, já tendo trabalhado em cinco longas-metragens e em vários curtas. Foi professora tutora de audiovisual na Aldeia Ahia Kalapalo no Parque Nacional do Xingu, dentro do projeto Yamurikumã de mulheres xinguanas. Dirigiu e roteirizou em 2019 seu primeiro curta-metragem “O homem que não morava lá” que recebeu o prêmio de melhor direção no 14o Festival de Cinema e Vídeos do Sertões em Floriano no Piauí. Faz parte da produtora cultural Astronauta Pirata junto com Kaco Olimpio, onde produziu os curtas “A Viagem de Ícaro”; “Dôniara” e “O homem que não morava lá”.