Apresentação

O 7º Icumam Lab – Laboratório de Fomento à Produção Audiovisual no Centro-Oeste, pelo segundo ano consecutivo, foi realizado de forma totalmente online. Foram seis projetos selecionados, sendo filmes de longa-metragem ou séries de ficção: Garvey (DF), No pôr do sol (DF), Japão (GO), Vestígios (GO), Viagens de Nina (DF) e Classe Média (DF). Aconteceu no período de 5 a 15 de outubro de 2021, incluindo também atividades complementares, como palestras. A programação é gratuita.

Nesta sétima edição, contamos com a coordenação pedagógica de André Novais Oliveira, diretor e roteirista; Fernanda De Capua, roteirista, diretora e produtora audiovisual; e Rafael Sampaio, produtor. André Novais também integrou a comissão de seleção dos projetos inscritos, juntamente com Flavia Candida, curadora, cineasta e produtora; e Rafael de Almeida, realizador e pesquisador. E a equipe de tutores formada por  Ana Julia Travia, roteirista, diretora e editora; Clara Ramos, produtora, documentarista e pesquisadora; Fernanda De Capua, roteirista, diretora e produtora; Leonardo Mecchi, produtor; e Maria Clara Escobar, diretora e roteirista.

Ao todo, o laboratório gratuito de desenvolvimento de projetos audiovisuais no Centro-Oeste recebeu 41 inscrições, de 13 de julho a 10 de agosto. Foram 29 para longa-metragem e 12 para séries. Distrito Federal participou com 19 longas e 6 séries, totalizando 25 inscrições; Goiás com 4 longas e 3 séries, totalizando 7 inscrições; Mato Grosso do Sul com 4 longas e 2 séries, sendo 6 inscrições; e Mato Grosso com 3 longas, sendo 3 inscrições.

O formato virtual atendeu às orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS), Ministério de Saúde e Governo do Estado de Goiás, para evitar a disseminação da Covid-19. Somado à pandemia e as consequentes crises, também enfrentamos nos últimos tempos a falta de políticas públicas nas três esferas de governo.

Assim, este ano, excepcionalmente, a estruturação do Icumam Lab foi reduzida, com menos projetos contemplados e categorias mais específicas. Estivemos – e continuamos – atentos às novas e necessárias reconfigurações e perspectivas para a sustentabilidade do mercado audiovisual na Região. Vencemos um primeiro desafio no ano passado, seguimos para mais uma jornada e esperamos retomar a estrutura ideal em 2022.

Enquanto isso, a busca em 2021 permaneceu com a mesma preocupação, por um laboratório de desenvolvimento audiovisual repleto de pluralidade de projetos dos mais variados gêneros e temas, de forma que representem todas as unidades federativas da nossa região, produzidos por homens, mulheres, LGBTQIA+, PCD, brancos, negros, indígenas etc., reafirmando o compromisso com a diversidade de produtores e projetos.

Os produtores e/ou diretores dos projetos selecionados participaram de uma imersão online em consultorias gratuitas individuais e em grupo, com profissionais altamente qualificados do mercado audiovisual brasileiro, pitching e premiação. Houve, ainda, palestras abertas ao público, que reuniram 569 pessoas online. O Laboratório, como um todo, envolveu 34 profissionais, 28 parcerias e mais 10 especialistas formaram o Júri de Pitching, Comissão de Seleção e Comissão Pedagógica. 

Além disso, produtores e diretores dos projetos selecionados participaram de atividades do BrLab, um dos mais expressivos e importantes laboratórios de desenvolvimento de projetos audiovisuais, que aconteceu simultâneo ao 7º Icumam Lab. O intuito é sempre fortalecer a cadeia produtiva audiovisual, inserindo a região Centro-Oeste, em especial Goiás, nos contextos e nos mercados nacional e internacional.

A premiação do Icumam Lab é uma forma de incentivo à produção, formação e desenvolvimento do audiovisual no Centro-Oeste, já que o Laboratório não tem caráter competitivo. “No Pôr do Sol (DF), “Viagens de Nina” (DF), “Japão” (GO), “Vestígios” (GO), e “Garvey” (DF) foram os projetos premiados.

Respectivamente, eles receberam o apoio financeiro do Projeto Paradiso de R$ 5 mil, para ser utilizado em formação ou desenvolvimento; 36 horas de correção de cor oferecido pela DOTCINE; 15 mil em serviços de pós de imagem com validade de 4 anos, oferecido pela MISTIKA; consultoria de produção Executiva e consultoria individualizada de pitching, oferecidos pelo C/AS4TRO e Vermelho Filmes. 

Investir na produção, preparação e formação de novos talentos colabora para o objetivo do Icumam de promover o desenvolvimento cultural e das comunicações. Por isso, durante o laboratório, os participantes têm acesso a um acompanhamento e análise cuidadosos que radiografa o projeto nas diversas etapas, desde o planejamento de filmagens, passando pela concepção de direção, intenções de comercialização e distribuição, até a preparação para a venda do projeto.

Desde sua criação em 2013 até esta edição de 2021, foram 60 projetos contemplados, com participação de 105 diretores, produtores e roteiristas; 23 tutores, 16 palestrantes, 12 integrantes de comissão de seleção, 14 palestras; e participação do Distrito Federal e dos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Dos projetos que já passaram pelo Laboratório, 24 estão em diferentes etapas de produção e finalização, e alguns já foram distribuídos e exibidos.

Entre os projetos, Alaska (GO), de Pedro Novaes, e Ainda temos a imensidão da noite (DF), de Gustavo Galvão, tiveram sua estreia em janeiro de 2020; Dias Vazios (GO), de Robney Bruno, foi selecionado para a Mostra Futuro Brasil do 50º Festival de Cinema de Brasília e para a Mostra Aurora, da 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes-MG; e Paulistas (GO), de Daniel Nolasco, que teve sua estreia mundial no DOK Leipzig.

Ainda em 2017, dois projetos que passaram pelo laboratório foram aprovados no PRODECINE 05/2016, chamada pública da ANCINE – Agência Nacional do Cinema – que investe em projetos com linguagem inovadora e relevância artística. São eles Vento Seco (GO), de Daniel Nolasco, que teve sua estreia mundial na Mostra Panorama da 70º Berlinale e foi selecionado para a Mostra Maguey do Festival Internacional de Guadalajara 2020; e Fogaréu (GO), de Flávia Neves, e Oeste Outra Vez (GO), de Érico Rassi, foram rodados em 2019e finalizados em 2021.

O projeto Somos Tereza (MT), de Danielle Bertolini, terá a produção financiada pelo canal CineBrasil TV. Também, os projetos Mike (DF), de André Miranda e Alisson Machado, e Como Uma Deusa (Três Lunas) (DF), de Julia Tolentino e Renata Diniz, foram aprovados no edital de desenvolvimento do FAC-DF/2018. Em 2018, foi rodado Capitão Astúcia (DF), dirigido por Filipe Gontijo (em finalização).

Com essa trajetória e resultados dos últimos anos, o Icumam Lab segue trilhando um caminho na busca da construção de pontes para as obras audiovisuais do Centro-Oeste, em direção ao mercado interno e para os fluxos necessários para uma produção fora do Eixo Rio-São Paulo.

O Icumam Lab é uma realização e idealização do Icumam Cultural e Instituto, que também realiza os projetos Goiânia Mostra Curtas, Cinema Popular e o Curso de Cinema – Núcleo de Desenvolvimento de Roteiros Audiovisuais. Nesta edição, o Laboratório de Fomento à Produção Audiovisual no Centro-Oeste tem o apoio da Unimed Goiânia; apoio cultural do BrLab e do Projeto Paradiso; a colaboração de Mistika, DOT Cine, C/as4tro, Vermelho Filmes e API – Associação das Produtoras Independentes do Audiovisual Brasileiro; divulgação Imprensa Mahon; e co-realização do Sesc Goiás.

 

Maria Abdalla

Diretora e Produtora
Icumam Lab